Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Brasil’

Se o mercado brasileiro só desvaloriza o designer com salários baixos e nenhum desafio criativo (“copia o encarte deste livro que eu trouxe de Paris!”), lá fora, a gente faz bonito!!! Duas brasileiras, Ana Eliza Guedelha e Nathalia Favaro, venceram o Internacional Designer’s Workstation 2008, na categoria profissional. Na categoria estudante, mais uma brazuca no primeiro lugar: Luiza Barroso em dobradinha com o francês Quentin Vaulot. O tema deste ano foi o desenvolvimento de uma estação de trabalho para o designer deste novo século. O prêmio teve inscrição de 30 países. Saiba mais aqui:

Read Full Post »

picture-15.png
No final do ano passado sofri uma over dose de filmes do cineasta italiano Michelangelo Antonioni. Tudo começou quando assisti ao filme “Profissão: Repórter” (The Passenger), com Jack Nicholson (incrível!) e Maria Schneider (veja o trailler aqui). Fiquei maluca! Achei a cena final tão inovadora que lá fui eu assistir aos seus outros filmes: “A Aventura”, de 60, “A Noite”, de 61, “O Eclipse”, de 62, “Blow-Up”, de 66, “Zabriskie Point” de 70 (que eu não entendi direito porque vi uma cópia em russo) e Profissão: Repórter”, de 74. Não sei explicar por que este meu interesse, mas recomendo todos os títulos prá quem tiver paciência, e pelo menos “Profissão: Repórter”, prá quem for mais afoito. Explico-me: Antonioni era chamado de ” o poeta do tédio”, pela maneira como filmava as questões existenciais: cenas lentas, silêncios, closes e cortes sem explicação aparente, enfim, um tipo de cinema que não se faz mais atualmente, um cinema que não é intretenimento, mas considerado como forma de expressão “total”: um ponto de encontro entre a arquitetura, literatura, filosofia.

Li a pouco tempo que Antonioni pretendia rodar no Brasil. Fez locações em Brasília e na Amazônia; a aridez em oposição à umidade. Mas nunca conseguiu realizar o projeto, que foi vetado pelo seu produtor. O filme se chamaria “Tecnicamente Doce” e o roteiro é de 66. Bem, acho que teria sido o seu melhor filme. Segundo o próprio diretor, sua “intenção, em resumo, era tocar no tema do canibalismo, declinado sob todas as suas formas”. Imagine só?

Read Full Post »