Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Pensamentos’ Category

Etna e Ikea

Este vídeo foi filmado na loja Etna de São Paulo, correto?

Errado. Foi filmado numa loja Ikea, rede de lojas sueca, hoje espalhada pelo mundo.
É impressionante pensar que ainda copiamos na cara dura tudo o que vem de fora. E o que eu faço com o meu diploma? Vergonha alheia…

Anúncios

Read Full Post »

Esta é a nova campanha do novo New Fiesta. Pera aí. Esqueceram de dizer prá eles que em São Paulo a gente não consegue andar no trânsito? Ahhh, talvez eles façam a ação de madrugada. Sim! Olha que idéia ótima, pegaram pessoas de dentro de um bar prá dirigirem o carro. Veja bem, o que as pessoas fazem num bar? Bebem, não? Avisa prá tomar cuidado com a blitz!!! E olha quanta bobagem, a motorista está falando até mole….

Segundo o antropólogo Roberto da Matta, “Vivemos o delírio de que ter um carro é sinônimo de sucesso.” E isso é bem o mote desta campanha. As pessoas ainda caem nessa? Que triste…

O fato é que 40.000 pessoas morrem por ano no trânsito brasileiro. E que em São Paulo, o nível de stress diário do trânsito anda a níveis insuportáveis. Existe um acordo silencioso para que as pessoas comprem carros e assim, não se investe em transporte público digno. E quem dá o aval para que esta política funcione? Nós mesmos, que vamos lá na concessionária, financiamos o carro e saímos blindados e nos sentindo poderosos.

Quer ler mais sobre isso? A Trip deste mês trás uma matéria bem legal.

Read Full Post »

gatinha1O post que mais recebe comentários por aqui é o das celebridades usando casacos de pele. Fico feliz porque a preservação da vida animal é um dos temas que mais me preocupam. Imagine a energia de se vestir com algo que custou o sofrimento de seres vivo?
Tenho desde pequena, uma relação muito próxima aos animais. Morava no interior e sempre fui daquelas que levava um monte de bicho perdido prá casa. Ainda hoje, encontro muitos bichinhos por aí. A última foi esta da foto. Ela teve muita sorte mesmo, estava perdida na Vila Madalena, e chegando numa festa, dei de cara com ela deitadinha no sofá. Trabalhamos em conjunto. Levei-a prá casa e no outro dia, depois de procurar o dono pela Vila Madalena, a Zoe, que também se encantou por ela na festa, acabou arrumando um dono muito legal prá malhadinha. Tenho um profundo respeito pelos animais. Porque acredito que se não fosse por eles, não estaríamos aqui. Dá-me também uma sensação de que não estamos sozinhos, temos companheiros nesta casa chamada Terra. Num momento em que desacredito casa vez mais  no ser humano (penso nisso todos os dias depois de ler o jornal), ter amigos assim é uma benção! Se você quer um bichinho, não precisa pagar um dinheirão, é só ter uma provisão de mais ou menos R$ 100 por mês, tempo prá cuidar dele e procurar algum desses lugares para adotar um amigo:

Vira-lata é Dez.

Loucos por Bichos.

Centro de Controle de Zoonoses.

Adote um Gatinho.

Projeto Cel.

Quintal de São Francisco.

União Internacional Protetora dos Animais.

Bicho no Parque.

Solidariedade à Vida Animal.

Adote um Amiguinho.

Read Full Post »

julianapaes-thumb

w0306

paes

vf3

Eu não sei, mas não gosto muito quando a referência vai além da conta e fica evidente no resultado. Como esta campanha de inverno da Arezzo. A lembrança das fotos de Madonna por Steven Klein são evidentes. No mundo contemporâneo, o primeiro passo da criação passa obrigatoriamente pelas referências, a etapa de pesquisa. Porque já sabemos, nada se cria do nada. Temos um tema e com alguma idéia já pré-estabelecida do que vamos querer comunicar, começamos a pesquisa de referências. Com ela, podemos ver diversas maneiras de se dizer o que pretende, lapidar a idéia, e não cair na simplicidade de apenas um resultado. Ao longo da pesquisa, vamos reformatando a idéia e no final, temos um híbrido de informações, que recombinadas, dão origem à uma nova criação. Daí entra o talento do designer em recompor uma idéia, uma linguagem, combinando referências e o próprio repertório. Mas neste caso da Arezzo, a fonte é evidente, nada de novo é apresentado. Uma pena.

Read Full Post »

Nomes da Moda

Jesuis, alguém de bom gosto nos salve. Estava olhando a revista Elle deste mês e me deparei com os novos anunciantes de moda. Vamos lá: Satryan – Exclusive Shoes and Acessories, DTA, Mamô Brasil, Trettiore., Rery, Mr. Cat, Brix, Andarella, Abusiva, Awake, Dimy, Raphaella Booz, Pulo do Gato, Beejeans, Fellipe Krein, Miezko, Four One, Gata Bakana, Vicenza, Presidium, Guapa Loca, Lança Perfume.

Como se não bastassem os péssimos nomes, as campanhas são tão ruins quanto. Vamos analisar algumas:

Uma que não citei acima, mas que vale a pena comentar é a Colcci. Mais uma vez, nossa musa Gisele em pose, produção e cenário bestas:

imagem24

É sempre assim quando se trata da mistura Gisele + Colcci. Faz um tempão que a marca aproveita a diva da forma mais tosca possível, tanto em desfiles quanto em campanhas. Mas o que dizem por aí é que a marca vende horrores, então, acho que preciso voltar prá escola e rever todos os meus conceitos de design e marketing…. O mais triste é saber que o público responde bem a algo tão sem qualidade…. Estamos nos nivelando por baixo.

Mamô Brasil: o site é fofo e a idéia, bem brasileira, mas esta foto não está boa prá uma campanha de revista…. O cabelo parece sujo… e a maquiagem não foi das mais felizes, entre outras coisas. Que informações apreendemos sobre a marca ao ver uma menina cheirando rosas no matagal?
imagem25

Trettiore: O site é bonito, mas a tipografia da marca é bem feia. E a campanha, ficou com cara de qualquer coisa. Que informações de moda vemos na foto abaixo? Que mulher é esta? Ela trabalha numa obra? Sua casa está em reforma? Ela está parada neste muro esperando o ônibus? E olha que na Elle, eles fizeram uma edição, poluindo ainda mais a imagem.
campanha10

Rery: Esta foto está particularmente ruim. A locação não ajuda, a cor e a geometria estão em desacordo com o look proposto. Bem, e quanto ao look, deixa muito a desejar. A calça parece apertada, e o caimento da barra com este sapato deixou a modelo com pernas esquisitíssimas, parecendo a Margarida, namorada do Pato Donald. A modelo é bonita, mas nada combinou com nada.
imagem26

Brix Jeans: A logo é ruim. E nada mais brasileiro que esta galera vinda de Londres, depois de uma trombada com Cindy Lauper.
imagem27

Dimy: O tema da coleção é a Turquia. O quão turco é esta foto de campanha? Quantas referências de lá foram retrabalhadas para chegarmos à uma nova linguagem? E a logo é tão esportiva, que lembra uma marca estilo Puma e Nike da vida. Ah! E na campanha, escreveram bem grandão o nome da modelo…
imagem29

Raphaella Booz: (Não se assuste com a música quando entrar no site). Aqui está,  Ellen Jabour, usando um vestidinho felpudo com luvas de cetim uva, sandália de crôco pink e bolsa de zebra psicolélica. Onde esta pessoa vai com tantos materiais diferentes? Alguém desta marca conhece a Bonequinha de Luxo – Audrey Hepburn? Ela sim sabia usar umas luvas…
imagem30

audrey

Pulo do Gato: Não sei o que dizer…. Reparem na quantidade de elementos: Cetim, onça, couro preto, tapete felpudo. E estes elementos estão dispostos assim prá comunicar algo? Conseguimos identificar a mensagem que cetim+onça+couro+felpa quer comunicar? Não. Podemos pensar: esta mulher usa sandália plataforma de onça com camisola? Estaria ela na sala da sua casa? No escritório? Ela é rica, por isso mistura tanta coisa? Não sei, não sei…
imagem31

Bem, por enquanto, vou ficando por aqui…. Queria estar tecendo elogios e mais elogios, mas estou muito preocupada com nosso futuro enquanto designers.

Semana passada fui almoçar com um designer fera. Que está há muito tempo no mercado. E ele estava falando que foi contratado para desenvolver uma logomarca. A resposta do cliente ao seu trabalho foi: Não gostei.

Bem, não gostei não é parâmetro prá se jugar algo que um profissional de imagem faz. Se o cliente contrata alguém que estudou e atua em comunicação e design, é de se pensar que ele vai deixar este assunto a cargo do profissional.

Mas não é isto que acontece. Trabalha-se com pessoas de repertório cada vez mais limitado. Que se contenta em dizer um não gostei à principal comunicação de sua marca.

Se este grande designer passa por isso, imaginem nós, pobres mortais tentando sobreviver….

Read Full Post »

Ontem finalmente pude ver Madonna, no estádio do Morumbi, na STICKY & SWEET TOUR. Depois de meses de espera e de semanas tentando comprar o ingresso, chegou o dia. Conseguimos, depois de muita tentativa, comprar os ingressos na pista Vip. Madonna começou cantando na minha adolescência, e como não pude vê-la na The Girlie Show, esta seria uma oportunidade de conhecer o trabalho da pop star de perto, que há tanto tempo não deixa a peteca cair!!

Quando chegamos ao estádio, tudo ia bem. Pegamos pouco trânsito, não havia filas no acesso à pista Vip, apenas algumas pessoas sentadas já no corredor, (acho que pro show de domingo)! Entramos e a visão foi espetacular. Vimos o palco de perto, com mil tecnologias, telões, luzes, caixas de som incrivelmente pequenas. E dois Ms gigantes ao lado. Cervejinhas de fácil acesso, algumas globais à frente, camarote da Renner, tudo era lindo. Até que começou a apresentação do Paul Oakenfold (dj cafona demais) e percebemos que não veríamos nada! O palco era muito baixo, visivelmente projetado para apresentações em arenas americanas, daquelas de jogo de basquete. Tentei aproveitar o que pude, mas as pessoas que ficavam andando sem parar e os caras com isopor de cerveja tampando a tão pouca visão que já tínhamos e o pior:  a constatação de que paguei muito (R$ 600 + R$ 120 de taxa) por uma droga de lugar me irritou a noite toda. Se soubesse, teria ido para pista ou arquibancada, onde meus amigos visivelmente se divertiram  mais. Nota zero para a produção, que não se preocupou com o público.

No mais, Madonna é fantástica. Cheia de energia, não parou um momento sequer. O show é lindo, impecável, tem passagens emocionantes, como uma música cigana com violões e violino e uma dança das saias. Bem, agora me resta ver melhor o show quando o dvd da tournê chegar as lojas.

Read Full Post »

Neste domingo, o ombudsman da Folha de São Paulo escreveu sobre a nova função do jornalismo. Porque o jornalismo como veículo de notícias “fresquinhas” não existe mais, uma vez que a internet cumpre agora este papel. O que resta então ao jornal? De acordo com o ombudsman, uma relação diferente com os fatos, como especular sobre o futuro. O jornal, segundo ele, poderia ter se ocupado das regiões que sofrem com o excesso de chuvas no Brasil, antes das chuvas começarem, e assim, prevenir e ajudar a população. Na minha opinição, analisar opiniões, interpretar, e informar também seria fator de “renascimento” para esta mídia, visivelmente em crise.
Não sou o tipo de leitora passiva. Não deixo que as mídias invadam minha vida se elas não me derem algo em troca. Não tenho mais televisão, e em breve pelo jeito, não assinarei mais jornal. Por que gastar dinheiro com papel impresso com textos superficiais se posso saber dos fatos de graça, na internet?

Read Full Post »

Older Posts »