Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Fevereiro, 2008

Caveira 2.

caveira2.jpg
ps: assisti ao Tropa de Elite no cinema e não que seja totalmente contra a pirataria. Mas, por exemplo, adoro o Michel Gondry e a droga da distribuidora não lança o filme dele por aqui, sei lá por que e não existe nenhum lugar onde possa baixar o filme dele pagando, porque estou no Brasil e o serviço é só prá país rico e desenvolvido. O mesmo acontece com música. Tento baixar músicas pagas no Itunes e na Amazom.com e sou informada que eles também não podem vender para o Brasil. Concluindo, somos cucarachas, e tratados como cucaracha pelo governo que não se moderniza para as novas práticas de comércio que sugiram com a internet. Desta forma, como posso ter aquilo que procuro, senão pirateando?

Read Full Post »

Caveira!

caiveira.jpg
Ontem finalmente encontrei coragem e assisti ao filme Tropa de Elite – Bope. Coragem porque estava com receio da violência que dizem existir no filme. Mas a curiosidade foi maior, ainda mais depois do que houve na exibição do filme no Festival de Berlim: a cópia com legenda em inglês não foi encontrada, e depois de muito atraso, o filme foi traduzido por uma mulher…. ao vivo. Imagino a coitada traduzindo todos os palavrões e gírias e o público, a maioria da imprensa, submetidos a isto. Não, isso não ajudou ao filme e as críticas foram ou de amor ou de ódio, o mesmo que aconteceu por aqui. Mas mesmo assim, só agora depois de vê-lo, entendo porque o filme é tão polêmico.
Ele não traz nenhuma novidade de roteiro ou de filmagem, neste ponto é bem parecido com Cidade de Deus. O que acontece é um grande desconforto quando o filme acaba e a gente percebe que torceu o tempo todo para o Batalhão de Operações Especiais. E isto significa ser conivente com toda a violência que o Bope faz uso prá fazer valer sua lei. Segundo o filme, não existe outra maneira de combater o tráfico, já que a polícia é corrupta e os bandidos estão armados até os dentes. É a força bruta e somente ela, quem fala mais alto, nesta vida cão das favelas do Rio de Janeiro.
Esta ambivalência de sentimentos também é vivida pelo protagonista, o Capitão Nascimento, que vê sua humanidade ressurgir com a chegada do seu primeiro filho, humanidade que não é permitida em sua profissão. E então, ele pede para deixar a tropa. Vemos o treinamento cruel a que são submetidos os novos possíveis integrantes e o Capitão Nascimento desumanizar por completo o seu substituto, para que ele possa deixar um discípulo a altura. A Tropa é forte, cheio de homens másculos que vestem preto e usam uma caveira com uma faca no crânio.
A violência do filme não me chocou, o que prova mais uma vez que estamos saturados deste tipo de cena. E que talvez fiquemos mais frios a cada dia, principalmente pelas atrocidades que acontecem diariamente aqui e no mundo. Não acho que o filme faz apologia à violência. Ele na verdade nos faz pensar na violência a que já estamos habituados e nos ver, infelizmente, participantes dela. O que faremos com esta realidade tão triste que nos cerca?

Read Full Post »

No Country for Old Men

picture-1.png
Incrível o novo filme dos irmãos Coen, aqui traduzido para “Onde os Fracos Não Têm Vez”. As traduções quase sempre são um problema, neste caso, a gente pensa que é um filme de faroeste. Não que as referências não estejam lá, mas não é disso apenas que o filme trata. Além de ser uma história muito bem contada, temos o tempo todo o acaso. A sucessão de acontecimentos que preenchem a tela depois que Llewelyn Moss (Josh Brolin) encontra uma mala de dinheiro no deserto, onde uma transação de drogas não dá certo, fez-me perguntar sobre o acaso. Porque apesar dos personagens agirem conforme suas vontades, o acaso está sempre rondando e decidindo muita coisa. Existem outras camadas importantes neste filme, mas aquilo que não conseguimos controlar foi o que me chamou mais a atenção. Javier Bardem cria um assassino impressionante, e Tommy Lee Jones (ótimo como personagem de velho-oeste, como em Três Enterros de Melquíades Estrada) é o Old Man, testemunha de um mundo que não existe mais, substituido por assassinatos em série. “Onde os Fracos…” tem 8 indicações para o Oscar 2008.

Read Full Post »